25 de outubro de 2021

Cantor sertanejo é preso após manter ex mulher em cárcere privado por mais de 12 horas

Compartilhe sem moderação

cantor sertanejo João Lima foi preso no bairro Sussuarana, em Salvador (BA), após manter a ex mulher em cárcere privado por mais de 12 horas na última segunda-feira (20). Segundo informações da delegada Bianca Andrade, que já colheu os depoimentos da vítima e do suspeito, o músico cometeu diversas agressões contra Flávia Souza, de 30 anos.

Além dos quatros crimes pelos quais ele foi autuado em flagrante, o cantor sertanejo exigiu que a vítima escrevesse uma carta de despedida para seus familiares e filhos. “Ela apresentou muitos hematomas e lesões em várias regiões do corpo. Ela disse que foi ameaçada – e ele confessou no interrogatório. Ele a obrigou a escrever uma carta se despedindo dos filhos e familiares [afirmando] ‘porque você vai morrer’”, disse a delegada.

O suspeito também chegou a gravar as ameaças enquanto mantinha Flávia em cárcere privado e agora, está preso na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), em Brotas, enquanto aguarda transferência para o sistema prisional. Os crimes autuados foram de extorsão mediante sequestro, cárcere privado, ameaça e lesão corporal.

O suspeito foi convencido por policias a libertar a ex companheira embora tivesse exigido que não queria negociar a liberação da vítima com as autoridades. Enquanto a mantinha sob seu domínio, o cantor sertanejo exigiu o pagamento de uma dívida de R$10 mil e a presença de um pastor para que soltasse Flávia mas, acabou cedendo.

João Lima e a vítima tiveram dois filhos, que no momento da ação violenta estavam na casa da avó, mãe da vítima. Ainda de acordo com a delegada responsável pelo caso, o cantor não demonstrou arrependimento pela violência praticada contra a ex companheira mas sim, preocupação pelo futuro de sua carreira.

“Em momento algum ele se mostrou arrependido. Estava preocupado apenas com a carreira dele, não pelo que havia feito com a ex-companheira. Que, diga-se de passagem, estava separado há três meses. Em momento algum se preocupou com a condição da vítima, com lesões em várias partes do corpo, sofrendo muito, dizendo que estava com dores”, revelou a delegada, que ressaltou a importância das mulheres terem coragem de denunciar seus agressores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *