Em clássico franco e nervoso, Argentina e Brasil não saem do zero em San Juan

Compartilhe sem moderação

Os mais de 19 mil presentes no Estádio del Bicentenario, em San Juan, criaram clima de alçapão para um Argentina x Brasil que, em termos de eliminatórias, valia mais para os hermanos do que para o já classificado Brasil. O placar zerado refletiu um jogo equilibrado, mas nervoso.

Sem Neymar, Tite aproveitou a partida para fazer testes. Lançou Vinicius Junior e Matheus Cunha no ataque, que deram dinamismo, mas esbarraram na falta de entrosamento. Militão e Fabinho substituíram Thiago Silva e Casemiro (suspenso).

Os mais de 19 mil presentes no Estádio del Bicentenario, em San Juan, criaram clima de alçapão para um Argentina x Brasil que, em termos de eliminatórias, valia mais para os hermanos do que para o já classificado Brasil. O placar zerado refletiu um jogo equilibrado, mas nervoso.

Sem Neymar, Tite aproveitou a partida para fazer testes. Lançou Vinicius Junior e Matheus Cunha no ataque, que deram dinamismo, mas esbarraram na falta de entrosamento. Militão e Fabinho substituíram Thiago Silva e Casemiro (suspenso).

O primeiro tempo teve tudo que se espera do clássico: intensidade, lances de força e muita vibração. Mas que por vezes viraram violência, em momentos que o árbitro Andrés Cunha pareceu não ter o controle do jogo. Em lance simbólico, Raphinha foi atingido com o braço por Otamendi em disputa na área argentina. Sangrou muito — levou cinco pontos no intervalo — , mas o lance, revisado pelo VAR, não rendeu qualquer marcação.

Antes disso, o Brasil já havia chegado bem com Vini, que errou cavadinha em frente a Emiliano Martínez, e Matheus Cunha, que tentou surpreender o goleiro com um chute da intermediária, no que seria um gol antológico. Os argentinos chegaram perto em chute de De Paul espalmado por Alisson.

O jogo seguiu nervoso na segunda etapa, mas os espaços proporcionaram um duelo mais aberto, ainda que o placar não tenha saído do zero. Fred colocou bola no travessão e Vini surpreendeu torcedores em San Juan com uma linda lambreta sobre Molina. Depois, em belo corta-luz de Cunha, não conseguiu vencer Martínez na finalização.

Nos minutos finais, a Argentina se lançou ao ataque, e Messi, que teve pouco espaço na partida, assustou em chute de longe, defendido por Alisson. Com empate contra o Brasil, a seleção de Messi está assegurada no Mundial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *